quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

O melhor presente ever

Há livros que ficam na história. Na nossa história. Na história particular, individual de cada um. São aqueles que nos fazem sentir miseráveis ao pensar que não há livro melhor, ou tão bom quanto, no mundo para ler; e nos fazem sentir felizes, por não termos morrido antes de terminá-los (é por isso aliás, que lemos em dois, três dias, no máximo quatro, obras de 300, 400 ou 500 páginas).

As outras leituras, são apenas leituras. Cada uma, a sua maneira, tem sua importância ou na vida acadêmica ou apenas no hábito de leitura; mas há outras, em geral obras de literatura, que são especiais. Nos roubam várias horas seguidas de leitura, deixamos de comer, tomar banho, ligar para o(a) namorado(a), só para ler mais um capítulo... só mais uma página. Pode ser Harry Potter, Crespúculo ou Paulo Coelho, não importa. Uma leitura prazerosa nos leva a uma viagem, a um êxtase e a uma ansiedade melhor do que qualquer droga ilícita.

Carlos Ruiz Zafón é um autor espanhol extremamente talentoso que atualmente tem dois de seus livros publicados entre os mais vendidos e que conseguem nos hipnotizar até o fim. Agora no Natal ganhei O Jogo do Anjo e, me atrevo a dizer, foi o presente mais breve e também o mais eterno de todos. O mais breve porque em três dias havia terminado, o mais eterno porque ficará sempre na minha memória e a vontade de relê-lo só vai acabar quando tê-lo feito.

A Sombra do Vento eu também já havia lido, e é de igual valor. O mistério, as intrigas, o romance, as relações interpessoais, além da cidade de Barcelona que assume o papel de um personagem e a ambientalização política, tudo isso comum aos dois livros, nos fazem almejar pelo final como se isso fosse a coisa mais importante do mundo. Ambos os livros também nos trazem lágrimas ao rosto, nos fazem odiar profundamente determinado personagem e desejar sua morte, mas também nos fazem dar altas gargalhadas.

Não acho que vale a pena dizer mais sobre os livros e o autor, não farei mais uma resenha como tantas outras que encontramos na internet e em revistas. Só digo que foi um dos melhores que já li. Assim como O Caso dos 10 Negrinhos foi o melhor livro do mundo nos meus 11 anos, Harry Potter nos meus 12 anos, As Brumas de Avalon nos meus 17, A Sombra do Vento nos 18 e O Jogo do Anjo no início dos meus 19, entre muitos outros que já foram e virão.

7 comentários:

Don Allan disse...

"deixamos de ligar para o(a) namorado(a), só para ler mais um capítulo"

eeeei! >.<


Não gostei do seu comentário =ppp


Haha..que bom que você gostou do livro, amor. =D

Realmente, há livros que parecem consumir tudo de nos, e nós conseguimos ficar sem tomar banho pra ler =D


te amo, mimada =)

CA Ribeiro Neto disse...

Gi, quanto àquele meu texto da xerox, aconteceu mais ou menos. Aconteceu que eu encontrei a xerox da certidão de óbito com aquelas características sim, mas o bloco não era meu, e sim do Pedro Gurgel e aquelas indagações foram feitas por mim e por ele. E isso aconteceu há muito tempo atrás, em 2006 ou 2007 mais ou menos.

beijos

Paulo Henrique Passos disse...

Com certeza um livro é o melhor presente que eu ganharia, em qualquer ocasião. Mas, por incrível que pareça, ainda não tive esse grande prazer. Digo, nunca ganhei um livro por livre vontade de quem dá, só ganhei um num amigo secreto - que por sinal era só de livros.

Enfim, books forEVER.:)

Que bom que você gostou do texto lá no meu blog.

Ótimas festas e feliz 2010!

CA Ribeiro Neto disse...

Gi, recomendo que leiam o meu texto logo após o seu. Também falo da importância da leitura e das possibilidades de se ler num ritmo movimentado que está a vida.

Não conheço os livros que vc citou, minha literatura geralmente é outra, mas não sendo PC tá bom demais! hehehe

beijos

Hermes disse...

Livro sempre é bom de ganhar. E apoio textos assim, que falem de leitura, livros. Sempre é bom! =)
E A casa dos 10 negrinho?DHUASHDUSA esse título é hilário! Deu MUITA vontade de ler esse livro. xDDDDD

Gi, feliz ano novo, 2010 vai ser bala, né? E sobre a minha trova, manda pra ele e diz pra ele se sentir uma mulher, ora heuaheauheuhea

Marília Maia disse...

Engraçado como um livro cativa atenção de uma pessoa, já aconteceu tb comigo de em menos de uma semana acabar um livro de tão emocionante que era... Nossa, era uma sensação muito boa... Faz um tempão que não faço isso! Mas, enfim... gostei muito de seu texto, tb não conheço os autores que vc citou, mas fiquei curiosa em saber as histórias desse autor, por causa da emoção que vc passou, sei lá, quando uma história é contada por uma outra pessoa, o negócio fica mais interessante...
Valeu pelo comentário no meu blog!!!
Feliz 2010!

Thiago César disse...

nao sou muito de ler livros, mas obrigado pelas dicas!