quinta-feira, 20 de agosto de 2009

A religião "mais brasileira"

O Brasil é uma mistura de cores, povos, culturas e... religiões. E é isso uma das características mais marcantes de nosso país: esse sincretismo de tudo o que faz parte das nossas vidas de brasileiros - para uns mais do que para outros. Isso tudo começou, como denuncia Freyre, lá nos tempos coloniais nas grandes lavouras de açúcar onde negros e brancos colocaram lado a lado culturas e costumes bastante diversos cujas origens eram de diferentes continentes mas que na América Colonial, como que sem muita opção, foram obrigadas a se enfrentarem.

Poderíamos falar das comidas, das músicas, dos costumes diários dos brasileiros, mas hoje quero falar um pouco sobre a religião. Dentre a diversidade religiosa de grandiosidade significativa que encontramos no Brasil, na minha opnião, a que mais tem a cara do brasileiro é a umbanda. As religiões evangélicas tem crescido gradualmente, mas ela tem origens muito diferentes que pouco tem relação com nosso país. Inicialmente ela vem da Europa com a Reforma e mesmo assim, pouca ligação isso tem com Portugal que contra isso lutou bravamente através das armas da Inquisição. Na invasão Holandesa, um dos grandes medos dos senhores de açucar era o risco da religião protestante ser imposta pelos flamengos. Vemos também com bastante clareza ainda hoje, a influência evangélica nos cultos negros dos EUA. Martin Luther King é um grande ícone para isso. Muita coisa disso foi importada pelo Brasil e que vem constantemente sendo mudada e reformulada para se adequar melhor as necessidades e a ingenuidade dos brasileiros.

O catolicismo adquiriu sim grandes características brasileiras. A festa junina, por exemplo, que é uma das minhas festas favoritas, é bastante verde e amarelo com seus bolos de fubá e as quadrilhas. Mesmo assim não é algo tão nosso; durante as missas temos que rezar pelo Papa - uma autoridade religiosa distante, do outro lado do Atlântico, a quem seria impossível pedir um pouco de ajuda. Se nós rezamos e pedimos por ele, o fazemos isso porque o Padre lembra e exige aquela resposta em coro.

A Umbanda por sua vez, é algo tão original, que não é o Candomblé modificado, como aconteceu com o Catolicismo e o Protestantismo. Surgiu uma nova religião com um novo nome e rituais e crenças muito sincréticas. Laura de Mello e Souza escreveu um livro maravilhoso sobre religião no Brasil colonial e lá ela diz que nas Senzalas surgiu um sincretismo entre as diferentes religiões africanas, pois negros de diversas regiões do continente, com costumes e culturas diferentes, se encontraram todos juntos num mesmo espaço. E foi o que surgiu lá que veio a se juntar com o catolicismo e originar o que conhecemos hoje por religiões afro-brasileiras. Há uma coisa muita interessante nisso: não é afro-europeia e nem afro-católica ou afro-portuguesa, é afro-brasileira.

O que me entristece é ver brasileiros católicos e evangélicos tratarem mal e agirem com preconceito a religião "mais" brasileira. A Umbanda e o Candomblé são religiões dos pobres que procuram ajuda tanto para encontrar emprego, quando para curar doenças ou acabar com vícios. É o lugar onde os pobres, que não tem como pagar médicos, psicólogos, seguros de saúde ou clínicas vão para conversar com alguém que está lá para ajudar. Estas religiões nasceram com os pobres e excluídos. Elas valorizam o homem como nenhuma outra religião cristã; enquanto os padres e pastores colocam tudo na mão de deus e tudo o que resta ao homem é pedir à ele, os orixás nos ensinam que somos nós quem temos que correr atras do que queremos e precisamos. Deus só nos ajuda, mas não faz nada por nós.

Conheço gente que hoje trata as religiões afro-brasileiras como manifestações do demônio, mas no passado, quando precisaram de cura espiritual depois de consultar vários médicos que nada puderam fazer, foram atras e entraram no terreiro com grande humildade. Infelizmente se esqueceram disso.

9 comentários:

Fu. disse...

*0*

CA Ribeiro Neto disse...

Tudo verdade, Gi. Conheço pessoas também que, falam mal das religiões afro-brasileiras, mas quando não tem mais pra onde correr, vão até os terreiros.

Gostei muito desse post, Gi! Deu pra conhecer uma Gi mais humana, mais pessoal. Parabéns!

Hermes disse...

Não vou chegar ao ponto de falar que tudo é verdade. Mas o post ficou interessante. Vale ressaltar que a umbanda virou moda entre os universitários e pessoas mais esclarecidas do Brasil, se não me engano, o maior sucesso da religião foi pelos anos 80, mas nada muito confirmado por mim. Eu concordo que seja a religião "mais" brasileira, mas nada impede que alguém se interesse por outra, e se ela se interessar não quer dizer que seja ingenuidade. Se assim for, é ingenuidade do outro lado também, que recorre a religião para se curar. É uma questão de fé, e nesse ponto não podemos afirmar que existe a ingenuidade aí. Claro, na sua opinião, tudo bem, mas tenha mais cuidado ao afirmar isso no meio acadêmico. Mas acho que você terá, eu particularmente entro em conflito, oras acho que todas as religiões são ingênuas, ora acho que não são, e até queria ter uma. E se for, talvez eu me incline para a umbanda, já que meu pai já foi envolvido com essa religião. Outra questão que tu tocou e é muito importante é esse preconceito enorme com essa religião! É absurdo, já vi várias piadas a respeito disso, e no meio acadêmico também. Tenho uma professora que é adepta. Acho até que essa teimosia em não entender o outro dos evangélicos que fez você chamá-los de ingênuos(em parte eu tenho que concordar, mas eu acho isso mais intolerância e falta de esclarecimento humano, do que ingenuidade, entender o outro é uma questão elementar para você entender a si mesmo). Mas se eles naõ querem entneder, não quer dizer que seremos assim. Certo? Abraço, e que bom que está de volta. espero que não tenha se irritado comigo, eu gostei do post sim.

Pedro Gurgel Moraes, um Poeta disse...

Religião. Sempre um tópico poêmico e complicado. Mas respeito, sempre é importante e necessário!

É absurdamente contraditório quando nós, cristãos (católicos e protestantes), julgamos... É meio que tentar seubstituir Deus! Mas, vai entender, né?

EXCELENTE POST!

Hermes disse...

esquece a parte da ingenuidade, li errada.

Paulo Henrique Passos disse...

Pode deixar, até amanhã passo aqui para comentar.

CA Ribeiro Neto disse...

Gi, temos mais um membro do Blogs de Quinta:

Zé Neto - http://pertodoser.blogspot.com/

Adcione-o por favor!

beijos

Hermes disse...

Cara novo no blog de quinta(sim, de novo) adicionem, por favor, ele já fez o mesmo!
Marcelo Almeida - http://visoesnaareia.blogspot.com/

Don Allan disse...

O legal da umbanda é que é quase uma sintese do que é o povo brasileiro, pois é uma mistura de muitas outras religiões distintas.

=))